Assertividade: a importância no mundo pessoal e corporativo

Assertividade é frequentemente relacionada a acerto. É uma postura comportamental diante das pessoas e de situações cotidianas, inclusive profissionais. Não está ligada ao que é certo ou errado, está ligada à nossa maneira de expor e defender nossas posições.

Ser assertivo é ser firme e direto, sem causar constrangimentos. É uma capacidade de se afirmar de maneira clara, objetiva e transparente, sem delongas. Assertivo, no dicionário, se define como “que faz uma asserção; afirmativo”.

Quem não assume suas posições com autenticidade não é assertivo, é o tipo de pessoa que fica dando voltas e não se posiciona nitidamente. Quem assume suas posições com agressividade não é assertivo, é agressivo. A assertividade é uma postura decidida, mas não agressiva. Use palavras suaves e argumentos fortes.

Pessoas assertivas vão direto ao ponto, mas com tato. Elas resistem às tentativas de manipulação e se posicionam de maneira firme, decidida e convincente, sem ser autoritárias ou prejudicar relacionamentos. Utilizam da qualidade de seus argumentos e de sua capacidade de síntese para ir direto ao ponto, sem rispidez. Demonstram credibilidade e são percebidas como altamente significativas em função da sua autenticidade, objetividade e habilidade de argumentação.

Atitudes assertivas também contribuem para o estreitamento das relações de trabalho, além de tornar sua empresa competitiva frente aos concorrentes. Pesquise, estude, faça planejamentos, ouça mais, evite agir por impulso. 

Ao trabalhar e, principalmente liderar equipes no contexto organizacional, a ocorrência deste tipo de comportamento faz-se necessária para a obtenção de resultados positivos e à correção de possíveis erros.

Fontes: Catho, Endeavor. Texto adaptado por Amanda Labruna.

Força de vontade: recurso fundamental para os empreendedores

Não existe manual, livro, curso ou faculdade que forme um empreendedor. Podemos recorrer a estes recursos como ferramentas para nos auxiliar a empreender, mas nenhum deles consegue ser mais forte do que a prática. Não adianta ser um “empreendedor da esperança”, aquele que passa a maior parte do tempo pensando, planejando, usando teorias, mas que não faz nada e não sai do lugar. É necessário fazer acontecer.

Como a maioria da sociedade foi “designada” a fazer sempre a mesma coisa e agir da mesma forma, parecendo uma boiada que se encaminha para o abatedouro, ao procurar um manual, livro, curso ou faculdade para aumentar o conhecimento sobre determinado assunto, torna-se essencial ao mesmo tempo, mudar a mentalidade de “boi”, ir contra o senso comum e derrubar uma a uma as maiores mentiras que os fracassados gostam de contar e que para muita gente já se tornaram verdades.

Não tenho chances porque não tive oportunidade de estudar

Se você quer empreender, ser dono do seu próprio negócio e viver os seus sonhos, trabalhando da forma como você imagina, você precisa criar as suas próprias oportunidades. Não tem que ficar reclamando disso e daquilo e sim fazer aquilo que você quer.

Ao invés de procurar desculpas, comece a procurar problemas para resolver para os outros e monte um negócio em torno disso.

Eu preciso ter dinheiro para fazer dinheiro

Sim e não. Silvio Santos (dono do SBT e outras empresas), que hoje possui um patrimônio avaliado em aproximadamente seis bilhões de reais, começou a sua carreira aos 14 anos de idade vendendo capas para título de eleitor nas ruas do Centro do Rio de Janeiro. As primeiras capas ele pegou como empréstimo do fornecedor e conforme as vendia, comprava novamente uma nova leva de capas. Ninguém está afirmando que todas as pessoas precisam fazer empréstimo, mas não se iluda com a ideia de que para dar o passo inicial, você precisa necessariamente juntar uma quantidade mínima de dinheiro. O principal já existe: você e sua vontade de trabalhar.

Muitas pessoas possuem ótimas ideias, mas empacam em problemas pequenos para tocar seus negócios em frente. Elas geralmente se preocupam primeiro com o nome da empresa, logomarca, cartão de visitas, etc. Quando você começa qualquer coisa, você está na estaca zero do negócio. Você não tem clientes, fornecedores, conta em banco, nada. Essa é uma realidade.

Você só tem uma ideia e uma possibilidade de que algumas pessoas comprariam essa ideia de você. Logo, o que você precisa mesmo para começar são clientes, não dinheiro. É nos seus clientes que você encontrará os problemas para resolver e aí sim venderá uma solução (sem nome, sem logo, sem site, sem nada) para eles.

Mas enfim, como conseguir os primeiros clientes? Talvez eles estejam ao nosso lado, nos contando sobre os problemas que estão enfrentando. Sabendo do problema que nossos prováveis clientes passam, é justamente nesta hora que nós, como empreendedores, temos que dar o bote e resolver o tal problema para todos aqueles que disseram que o tinha.

Antes de pensar em fazer qualquer investimento no seu negócio, vá para a rua e ouça os seus prováveis clientes, passe um tempo pensando sobre os problemas deles e crie alguma solução. 

As pessoas são más e egoístas

No mesmo grupo onde estão as pessoas que acham que as outras são más e egoístas, estão também aquelas que acham que toda gente rica é metida e mau caráter, que loira é burra e que pobre não deve frequentar shopping de rico.

Ilusão é pensar que somos todos maus e egoístas e que as pessoas, na maioria das vezes, estão querendo tirar algo de nós. É por esse motivo que a maioria dos fracassados continua preso a ideia de que precisa de algo ao invés de querer dar algo. Dar é o mais importante, mesmo que a outra pessoa nunca lhe agradeça. É o hábito de dar e de compartilhar que ampliará a sua percepção acerca das dores dos outros e dos problemas do mundo.

Conclusão

Não importa de onde você é, o que você faz ou o quanto você tem para abrir um negócio. O que importa é a sua mentalidade. É a maneira como você pensa que fará você tratar dinheiro, por exemplo, como uma ferramenta para ajudá-lo nas suas conquistas e também a manter aquilo que você conquistou. 

Cada um de nós temos chances iguais de se desenvolver em totalidade, mas precisamos de vontade para fazer tudo acontecer.

Fonte: Jornal do Empreendedor

Como liderar com inteligência emocional

Grandes líderes entendem que a única maneira de uma equipe ou empresa atingir seu pleno potencial é despertar o melhor de todas as pessoas que trabalham na organização.

Quando eles são capazes de ajudar os outros a serem melhores, as coisas que todas as empresas buscam, como aumento dos lucros, comprometimento, empenho, criatividade e inovação surgem naturalmente.

Então, como é que um líder desperta o melhor dos outros?

Ele começa com a inteligência emocional. Mais do que apenas as habilidades pessoais, a inteligência emocional é uma poderosa consciência sobre nós mesmos e sobre os outros. Isso nos dá capacidade de escolher novas formas de lidar com as situações difíceis e de se libertar de velhos hábitos de pensar e de agir que não produzem os resultados que queremos.

Quando a inteligência emocional é alta, a enorme quantidade de energia da equipe que é desperdiçada em coisas como falta de comunicação, mal-entendidos, tensão e conflitos é libertada e pode ser direcionada para a produtividade.

Aqui estão algumas dicas de como grandes líderes podem desenvolver sua inteligência emocional:

1. Tenha coragem de olhar honestamente para si

Eles olham para todos os lados. Pontos cegos e comportamentos não úteis que aparecem sem que você perceba pode ser um grande impeditivo.

Ao invés de fugir de seus momentos menos lisonjeiros e dar desculpas, eles aceitam o que veem. E quando não gostam, procuram uma melhor forma de fazer o que tem que ser feito.

2. Lide com a bagunça que todos evitam

Muitas vezes as pessoas gostam de pensar em um negócio como algo lógico e racional, e não emocional.

Na verdade, nada pode estar mais longe da verdade. Os sentimentos e as emoções que todos nós experimentamos, aparecem no trabalho da mesma maneira que aparecem em casa.

Grandes líderes sabem que, para qualquer grupo de pessoas maximizar o seu potencial, elas devem aprender a lidar de forma eficaz com o lado humano do negócio.

3. Construa confiança

Confiança é a base de qualquer relacionamento saudável, produtivo e rentável. 

Eles sabem que suas palavras e ações são o que constroem ou destorem a confiança. Quando a confiança é corroída, eles agem rapidamente para repará-la, para que todos possam voltar ao normal.

4. Esteja disposto a ser vulnerável

Eles sabem que não temos todas as respostas porque ninguém está 100% certo todo o tempo.

Isso incentiva as pessoas a agirem da mesma forma, aliviando assim a pressão incapacitante para sermos perfeitos e nunca cometermos um erro.

5. Seja autêntico

Grandes líderes são eles próprios, ao invés de tentarem ser outra pessoa.

Suas palavras e ações são congruentes com o que eles pensam e sentem por dentro. Isso cria uma enorme confiança.

6. Mude a visão de liderança

Ao invés de enxergar a liderança como algo de responsabilidade de executivos de alto nível, veem a liderança como uma responsabilidade que todos podem compartilhar.

Além disso, pedem a participação de todos, procuram ideias e reconhecem que as ações dos outros contribuem diretamente para o sucesso ou fracasso da empresa. Isso proporciona maior criatividade, inovação e capacidade de resolução de problemas.

7. Seja curioso

Grandes líderes entendem que precisam ser capazes de ver as coisas de uma perspectiva diferente que lhes permite descobrir oportunidades escondidas, encontrar as melhores soluções para os problemas e inovar sem tanto esforço.

8. Abra espaço para os outros

Eles entendem a importância de compartilhar os holofotes e abrem espaço para os outros crescerem, terem sucesso e prosperar.

9. Gerencie a energia

Grandes líderes entendem a importância do gerenciamento de energia. Seja a sua energia ou a dos outros.

Eles estão constantemente em sintonia com o que está acontecendo na organização, certificando-se de que a energia é dirigida na direção certa, e que a organização não é nem um pouco produtiva à beira do esgotamento.

Este artigo foi adaptado do original, “10 Ways to Be a Great Leader”, da TrainingMag e publicado pelo Jornal do Empreendedor.

Mentir para o cliente é uma péssima ideia

O mercado está muito exigente e o cliente não se ilude com argumentos e frases prontas. Ele vai conferir se você está falando a verdade. Não basta dizer que seu produto ou serviço é melhor do que o da concorrência, você precisa realmente mostrar quais são os benefícios de comprar ou contratar com sua empresa.

Existem vários fatores que contribuem para que um profissional feche um contrato: capacidade investigativa, uma boa argumentação, agilidade no atendimento, um serviço ou produto de qualidade que atenda as necessidades dos clientes e, principalmente, credibilidade.

Vendedores que utilizam a mentira, em alguns casos, são despreparados, e isso faz com que digam coisas inadequadas. No passado, como o cliente não tinha tanto acesso, vendedores bons de papo até conseguiam vender com mais facilidade, mas hoje o mercado mudou e o comprador está cada vez mais preparado e informado.

Tudo pode ser encontrado na internet: reclamações sobre sua empresa, elogios, dúvidas, matérias, comparações e claro… a concorrência. Esteja certo daquilo que você está repassando ao seu possível cliente. Conseguir convencê-lo a realizar uma compra errada, lhe causará uma frustração e certamente refletirá em uma experiência negativa para o seu negócio. Lembre-se também que isso pode ecoar para outros consumidores.

Contrate vendedores profissionais, que se dedicam a estudar profundamente sua empresa, mas que principalmente se preparam para falar com seu cliente. É impossível fazer uma boa negociação, sem ao menos entender as reais necessidades do cliente e o motivo que o leva a comprar da sua empresa.

A HAS Soluções de Negócios sempre investe na qualificação de seus vendedores. Periodicamente, há uma participação ativa em treinamentos, cursos e palestras especializadas em vendas. Além disso, é dedicado um tempo de estudo ao cliente representado e área de atuação a ser trabalhada.

Fale conosco e saiba como podemos representar a sua empresa!

Texto retirado de Exame.com e adaptado por Amanda Labruna.

O poder da persuasão

Do prazo de terminar uma tarefa até a venda de uma ideia, todos nós precisamos fazer negociações. E ter conceitos básicos é essencial.

A Exame.com publicou uma matéria bastante interessante com dicas de filmes que nos ajudam no poder da persuasão, vejam:

– O Poderoso Chefão
Filme recheado de lições sobre o que fazer – e o que não fazer – em termos de negociação. Segundo Beatriz Bernardi, psicóloga da Mega Sistemas Corporativos, os exemplos vão desde técnicas de persuasão até a necessidade de sempre estabelecer uma relação ganha-ganha. “A lição que fica para o negociador é cuidar dos relacionamentos antes de iniciar uma negociação – seja ela qual for”, diz a especialista. Por outro lado, usar da força e da ameaça para ter o que se quer nem sempre (ou quase nunca) é o melhor caminho.

– Hotel Ruanda
No meio da guerra civil em Ruanda, Paul Rusesabagina abriga refugiados em seu hotel. Para mantê-los a salvo da violência, usa diversas estratégias de negociação com os dois lados da trincheira. Em uma das cenas, ele leva charutos cubanos para negociar com um dos líderes das facções. Quando questionado sobre isso, ele responde que dinheiro as pessoas já têm. Levar charutos mostra que ele os conhece.

– Erin Brockovich – uma mulher de talento
Erin descobre que a água que irrigava uma cidade no deserto estava contaminada. Para conseguir apoio dos moradores no caso, ela se vale de várias qualidades essenciais para quem quer fazer boas negociações. Primeiro, ela sai conversando para entender o perfil de cada pessoa, isso gera empatia. Mas além disso, ela é muito ética, entusiasta, tem poder de convencimento e sempre coloca o ganho que a outra pessoa pode ter.

– O cheiro do ralo
Os valores que tocam você podem não produzir o mesmo efeito em outras pessoas. Ter isso em mente durante uma negociação é essencial. E é este conceito que algumas cenas do filme exploram. Lourenço, vivido por Selton Mello, é dono de uma loja que compra objetos usados de pessoas com dificuldades financeiras. Na hora de negociar o preço, quase todas recorrem a um contexto sentimental, ao potencial simbólico de cada objeto, descreve Grawunder. O resultado: os argumentos quase nunca se sustentam diante do ambicioso comprador.

– De porta em porta (Door to Door)
O filme narra a história de um jovem com paralisia cerebral, com dificuldades para falar e se movimentar, que se tornou o melhor vendedor do ano da época. O primeiro motivo para isso é claro: ele mapeava a necessidade do cliente e explorava isso, sutilmente. Bill Porter também era persistente. Logo no início do filme, ele é rejeitado pelo gerente da empresa. Diante da negativa, não hesita e propõe ser testado na área com o mercado mais difícil para a companhia. Desse jeito, o gerente não teria nada a perder. Por fim, o personagem entendia que cada contato não era único. Tratar mal um cliente poderia significar perder uma venda no futuro.

– Edward mãos de tesoura
Logo nos primeiros minutos, o filme ensina o que não fazer em uma negociação. Kim, interpretada por Winona Ryder, é uma vendedora de cosméticos e simplesmente não presta atenção na cliente. Ela está tão concentrada no que quer falar que não ouve, nem percebe a postura da cliente.

– Coach Carter – Treino para a Vida
Um dos filmes mais citados pelos conselheiros de carreira também traz dicas valiosas sobre negociação. O longa narra a história de como o treinador Ken Carter conseguiu preparar um time de basquete formado por alunos de uma escola da periferia em campeões. Para isso, ele teve que negociar com os jovens. E a estratégia? Investiu em uma relação ganha-ganha. Se os jovens fizessem o que ele combinou, ele iria transformá-los em homens de honra.

– 13 dias que abalaram o mundo
O filme narra os bastidores das negociações durante a crise dos mísseis de Cuba em 1962, que colocou o mundo à beira da terceira guerra mundial. O destaque fica no preparo das equipes antes de cada etapa da negociação. 

Vale a pena pesquisar e assistir os filmes citados. Estamos o tempo todo em negociação, seja no ambiente corporativo, no relacionamento ou em casa. Negociamos ideias, espaço, mudanças, valores, estratégias, gostos, entre muitas outras coisas.

Tenham um excelente dia!

5 técnicas valiosas para gerenciamento do tempo

Você sente que seu tempo não rende o suficiente? Saiba que isso tem sido muito comum em um número cada vez maior de pessoas!

Existem livros, palestras e vídeos que abordam o assunto com bastante frequência, mas muitas pessoas não se interessam pelo assunto ou desconhecem os benefícios de uma gestão de tempo adequada e bem sucedida. Não é normal viver dizendo que está sem tempo, isso é má administração das tarefas e prioridades. Uma coisa é ter muitas atividades para concluir, outra coisa é usar esse argumento como alicerce para deixar outras pendentes.

Aqui vão algumas dicas retiradas do artigo “5 Time Management Techniqus Worth Using”, da Entrepreneur:

– Faça e utilize listas

Não há uma única disciplina ou sistema de gerenciamento de tempo no mundo que não gire em torno de fazer ou utilizar listas. Você não pode carregar tudo na sua cabeça.

Tente operar com algumas listas básicas:

Agenda: um planejamento para o ano todo, dia-a-dia.
Lista de coisas a fazer: esta é uma lista de coisas básicas, organizada por mês, semana e dia, priorizada com itens.
Lista de pessoas para ligar: a terceira lista é de ligações a serem feitas, também priorizada em ordem alfabética.
Lista de pessoas: uma lista de pessoas que interagem com você, onde podemos anotar as coisas que precisamos falar com eles sobre ideias entre reuniões e conversas.

Você tem que ter algum tipo de rotina, usando regularmente listas para que você tome as melhores decisões. Se você não está fazendo listas, provavelmente está perdendo dinheiro.

– Use arquivos ou softwares de gerenciamento para follow up

Isso vai ajudar você a diminuir a desordem e lembrar de seus compromissos, além de organizar as atividades diárias.

Vamos supor que você precisa fazer follow up em um cliente no dia 10 do próximo mês. Se isso não for anotado e configurado com lembrete, certamente a tarefa não será feita. Imagine se o contato precisar ser feito daqui 6 meses ou 1 ano para a renovação de um contrato? Com pop up configurado, não há como esquecer.

Esse gerenciamento pode ser feito pelo Outlook, CRM e ERP, dependendo da quantidade de informações e detalhes da atividade.

– Diminua as reuniões

Geralmente pouco é feito durante as reuniões e, provavelmente, todos odeiam isso. Para muita gente, as reuniões são um lugar para se esconder. Ou fingir ser importante.

Mas elas não são o lugar para realmente fazer o trabalho ou para agir. Caso você seja o ‘solicitador’ da reunião, tenha tudo muito bem definido e pronto para ser apontado. Reuniões muito longas não são produtivas, cansam e comprometem o dia de trabalho. 

– Bloqueie o seu tempo

A maioria das pessoas tem seus horários bloqueados com outras pessoas. Para cada ano, perdemos grande parte do nosso tempo assim: reservando espaço para ligações e outros encontros.

Se você colocar o seu calendário antes de você e bloquear tanto tempo quanto possível, com a maior antecedência, então você pode deixar apenas uma pequena quantidade solta.

Ao fazer isso você impede as demandas de outras pessoas de atrapalharem a sua rotina.

– Ganhe tempo

Hoje podemos fazer várias coisas ao mesmo tempo. Uma palestra, um livro, um vídeo, tudo isso pode ser acessado através de mídias online, smartphone ou tablets.

Algumas pessoas gastam seu tempo retornando telefonemas, respondendo e-mails e produzindo, tudo isso ao mesmo tempo.

Esse é um erro por 3 razões:

1) Você faz isso às pressas e sem a preparação adequada.
2) É um mal precedente para definir a maneira com que você se comunica com as pessoas.
3) Você rouba o seu tempo, não se concentrando no que realmente precisa.

O uso disciplinado de todos os recursos e tempos que temos pode nos dar uma larga vantagem.

O escritor, agora famoso, Scott Turow escreveu seu primeiro romance usando o tempo entre o seu deslocamento nos metrôs de Nova Iorque. Ao redor dele, outras pessoas estavam apenas matando tempo.

Para a maioria das pessoas, esses minutos não importam. Mas sim, eles importam. Então quando você dá a desculpa de que “são apenas 10 minutos”, você está perdendo tempo.

Entenda o modelo de negócio da HAS

Por: Helio Lima

Recentemente, recebemos uma análise positiva do SEBRAE no que diz respeito ao modelo de negócio que a HAS propõe aos seus clientes. Fundamentalmente, somos uma empresa que presta um serviço completo de área comercial, com o intuito de impulsionar as vendas.

Esse serviço consiste em:

Prospecções de novos negócios
A HAS atua na prospecção ativa em busca de novas oportunidades e clientes.

Visitas comerciais
A HAS realiza visitas corporativas que envolvem apresentações iniciais e técnicas de seu produto ou serviço.

Relatórios de acompanhamento
É a evolução de seu negócio, sendo assistida com estudos detalhados de históricos de ligações, receptividade dos clientes para com seu produto/serviço/marca, além de mapeamento de gestão de vendas, onde você acompanha o andamento das oportunidades de vendas.

Além das ações de área comercial, a HAS Comunicação oferece soluções para melhorias de sites, apresentações institucionais e todo tipo de material de divulgação de seu produto ou serviço.

Você conta com o suporte dedicado para melhor posicionamento da sua empresa nas páginas do Google, ou ainda, se quiser promover uma campanha no Facebook e E-mail Marketing.

A HAS passou a ser um Grupo que atua em Soluções de Negócios e Comunicação, pronto para oferecer serviços dedicados à sua empresa em busca de bons resultados.

Fale conosco e saiba mais!

Modelo de negócio da HAS tem análise positiva do SEBRAE

A HAS Soluções de Negócios atuou em um trabalho de consultoria comercial para a empresa LimpeCom.

Foi desenvolvido material institucional completo para atuação em novos negócios. Todo o material de marketing e comercial foi encaminhado para análise da equipe de consultores especializados do SEBRAE.

Essa análise foi além, estudando não só o material desenvolvido, mas também o próprio modelo de negócio da HAS, no que se refere às prospecções e gestão comercial.

O resultado foi muito positivo e a HAS foi amplamente elogiada por sua contribuição, atuação e compromisso com os resultados de seus clientes.

Agrademos a toda equipe da LimpeCom e aos consultores do SEBRAE. Deixamos nosso compromisso de buscar sempre as melhores práticas para as empresas que atendemos e representamos.

É preciso inovar!

A cada ano, 460 mil novas empresas são criadas no Brasil. Por mais que pareça um número abstrato, não é. Você pode falar que a sua atuação é somente regional ou local – e, consequentemente, os números macros não têm tanta relevância. Independente disso, a base para a sustentabilidade financeira do seu negócio e o sucesso do seu empreendimento está diretamente ligado ao conhecimento de mercado. 

O mercado é regido pela lógica da oferta e da procura. Oferta é referente à quantidade de fabricantes, fornecedores, produtos disponíveis no mercado; enquanto procura é relacionada à demanda do mercado, isto é, a quantidade de clientes potenciais que tem a necessidade de adquirir o produto que a sua empresa fornece.

Quanto maior a oferta, maior é a dificuldade de você agregar valor (diferenciar-se) no mercado. Isto é, o cliente precisa dos seus produtos ou serviços, mas ele terá muitas outras empresas para comparar com o que você oferece.

Para sair da guerra de preços, sua empresa precisa inovar!

Diferenciar-se, tornar a qualidade do seu produto/serviço evidente, a ponto do seu cliente enxergar claramente que o valor cobrado é secundário por conta dos grandes benefícios, já são indícios de uma empresa de sucesso.

E como inovar? O primeiro passo é conhecer muito bem o mercado e concorrência.

Uma das etapas do Planejamento Estratégico é analisar a sua concorrência de forma criteriosa e objetiva. Além disso, é preciso analisar, localizar nichos e segmentos de mercado que possuem demandas reprimidas. Isto é, atuar em um mercado específico onde você conseguirá inovar e agregar valor ao seu produto. Não adianta ter mil ideias, sem ao menos estudar todas essas questões.

Qual foi a última vez que você fez um estudo e análise aprofundada de mercado? Você sabe prontamente dizer quem são seus concorrentes diretos, indiretos, o que cada um oferece, quais são os planos, onde estão localizados, quais os benefícios, quais as reclamações apontadas por clientes? E o que você faz com essas informações?

De que forma a sua empresa agrega valor aos seus produtos e serviços, a ponto de o consumidor decidir pela sua empresa e não pelo concorrente?

Todas as questões devem ser analisadas com muita cautela, pois sua empresa pode inovar naquilo que seu concorrente ainda não se destacou. Imitá-lo não vai fazer sua empresa ir muito longe, mas tornar-se um diferencial, fará com que seus clientes naturalmente te procurem e sintam-se completos com seu produto ou serviço prestado. Além disso, a inovação torna-se um excelente argumento de venda e marketing.

O artigo foi escrito por Kleiton Fontes, da Templum, uma consultoria online para pequenas empresas. Adaptado por Amanda Labruna.

A felicidade é o segredo da produtividade

Quer aumentar a produtividade para chegar nas suas metas e objetivos? Sentir-se realizado com o que faz é a chave para ser mais produtivo!

Como a felicidade e a produtividade estão relacionadas? Se você quer melhorar a produtividade, não procure mais do que a sua mentalidade. As pessoas que gostam do que fazem são muito mais produtivas do que aquelas que nunca têm paixão pelo seu trabalho.

A imersão alegre nas tarefas é a chave da produtividade. 

O escritor Denis Waitley dizia que, pessoas felizes planejam ações, não planejam resultados. Uma característica comum compartilhada por pessoas bem sucedidas é a consciência das trilhas de pensamento em suas vidas.

Muito parecido com uma trilha física, as trilhas de pensamento realmente nos forçam a pensar da maneira com que sempre pensamos. O que você acha é muitas vezes mais importante do que o que você pensa. A característica que separa o bom do ótimo é a capacidade de pensar sobre si mesmo como bem sucedido. No entanto, a grandeza é definida por cada indivíduo.

Produtividade não é fazer tudo ao mesmo tempo.

A mudança começa pelo que você diz a si mesmo e diz aos outros. Mude a sua visão e você muda o que é possível. Ouça o que você está dizendo. Você está falando sobre coisas positivas ou negativas?

Aqui está um exercício para determinar como você está pensando agora. Responda honestamente às seguintes questões:

A vida é…
O dinheiro é…
Líderes são pessoas que…
As metas são…
O trabalho é…
Pessoas organizadas são…

A maneira que você responde essas questões é exatamente como você vê o mundo. 

Abaixo, estão algumas respostas possíveis desse exercício:

A vida é boa / a vida é dura.
O dinheiro é o que eu uso para criar oportunidades / o dinheiro é a raiz de todo mal.
Líderes são pessoas que estão em movimento / líderes são pessoas que têm dinheiro.
Metas são necessárias para seguir adiante / metas são boas, mas eu estou sempre ocupado.
O trabalho é o que eu faço para me expressar / o trabalho é algo que não quero fazer nunca mais.
Pessoas organizadas são produtivas / pessoas organizadas são um pé no saco.

Você tem uma perspectiva sobre um determinado aspecto de sua vida que pode valer a pena mudar? Melhorar não significa que algo esteja errado. A melhoria indica um movimento em direção a algo novo e possivelmente melhor.

“A ação nem sempre traz felicidade, mas não há felicidade sem ação”. (Benjamin Disraeli)

Este artigo do Jornal do Empreendedor foi adaptado do original, “Why Happiness is Your Secret to Productivity” da Entrepreneur.